Abril id

SACAssineLoja
Revistas & Sites Apps Ofertas Últimas Notícias
Notícias
29/06/2009 - 12:56 (atualizada em 29/06/2009 13:37)

Governo prorroga redução de IPI para carros até setembro

Medida faz parte de pacote que adia todas as reduções tributárias, incluindo benefício para motos e linha branca

Da Redação, com agências
Tamanho do textoA+A-
Taxas retomam nível anterior de forma gradual, até dezembro
Taxas retomam nível anterior de forma gradual, até dezembro

A redução do Imposto do Produto Industrializado (IPI) para carros valerá até o dia 30 de setembro. O prazo da desoneração terminaria no dia 15 de julho, mas foi prorrogado como parte de um pacote que engloba todas as outras reduções tributárias adotadas pelo governo para combater a crise econômica.

As medidas foram anunciadas nesta segunda-feira (29) pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, em Brasília.

O prazo para a venda de caminhões também foi prolongado até 30 de setembro, quando o valor do imposto passa a ser retomado gradualmente até atingir em dezembro o nível anterior à crise. "A partir de outubro, volta gradualmente o tributo até em dezembro estar totalmente reconstituído", disse o ministro.

O IPI continuará mais barato para produtos da linha branca (geladeiras, fogões e máquinas de lavar) até 31 de outubro. Para compra de motos, PIS/Cofins segue reduzido até o dia 30 de setembro.

Para trigo, farinha de trigo e pão francês, a redução tributária vale por maus um ano e meio, até 31 de dezembro de 2010. No caso do material de construção, a prorrogação foi por seis meses (até o fim do ano), com inclusão de novos produtios na lista. Para máquinas e equipamentos destinados à indústria, o governo anunciou a redução de IPI em 70 itens.

O ministro ressaltou que os benefícios para o setor automobilístico têm como contrapartida a não demissão de trabalhadores.

Benefícios
Anunciada no início de dezembro do ano passado, a redução tributária tem o objetivo de preservar empregos e ajustar gradualmente a promover as vendas no setor automotivo. Desde 12 de dezembro, carros de até mil cilindradas, que pagavam alíquota de 7% de IPI, estão isentos do tributo.

Acima disso, continuaram recolhendo o IPI, mas em bases menores. Para os carros de 1.001 a 2 mil cilindradas, a taxa caiu de 13% para 6,5% (a gasolina) e de 11% para 5,5% (a álcool e flex); de 2 mil cilindradas em diante ficaram mantidas as alíquotas de 25% (gasolina) e de 18% (álcool e flex).

No caso das picapes de até mil cilindradas, consideradas veículos leves, a queda foi de 8% para 1%, qualquer que seja o combustível.

Em abril o governo também reduziu por três meses a alíquota do IPI de geladeiras de 15% para 5%, de máquinas de lavar de 20% para 10%, do tanquinho de 10% para zero e do fogão de 5% para zero. Na mesma linha, o governo reduziu itens da construção civil.

Os estímulos à economia foram decididos diante da crise econômica mundial. Só no caso dos automóveis a renúncia fiscal estimada, segundo a Receita Federal, chega a R$ 1,08 bilhão até o final deste mês.

Crédito
Nesta segunda, o ministro anunciou também a criação de dois fundos garantidores de crédito para a compra de máquinas e equipamentos para indústria (bens de capital) e de médias e pequenas empresas. Os dois fundos serão administrados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e pelo Banco do Brasil.

Os fundos terão R$ 4 bilhões da União e vão garantir até 80% das operações. O limite permitido de inadimplência será de 7%. Segundo Mantega, a Caixa vai facilitar o crédito de micro, pequenas e médias empresas, com a aplicação de R$ 22 bilhões.

Juros
Entre as ações está também a redução de 6,25% para 6% da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), usada na concessão de financiamentos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Segundo Mantega, o Conselho Monetário Nacional decide na terça  (30) a redução da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) dos atuais 6,25% para 6%. A TJLP é usada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) nos empréstimos para empresas.

Balanço
Antes de anunciar a prorrogação das taxas reduzidas, Mantega apresentou um balanço das medidas anticíclicas tomadas pelo governo na tentativa de contornar os efeitos da crise.

Entre elas, a redução de R$ 100 bilhões do compulsório dos bancos, a criação do programa Minha Casa, Minha Vida, do Plano Safra, e a diminuição das taxas juros - que segundo ele, apesar de menores, “ainda são estratosféricas”. Segundo ele, as medidas tomadas elevaram a confiança do consumidor e estimularam varejo e indústria - que teve resultados negativos, mas segundo o ministro, deve se recuperar nos próximos meses.

"O primeiro semestre foi um semestre de ajuste da crise e agora nós já estamos saindo fora dela, já com recuperação de diversos setores", afirmou. "Com esse resultado que nós estamos observando, nós podemos dizer que em 2010, a economia brasileira estará em condipções de crescer 4,5% e em 2011, mais de 5%.”

Leia mais notícias de Economia e Negócios
Leia mais notícias sobre redução do IPI

Ofertas

 

Assinaturas


Assine

AbrilSAC

Clube do Assinante

Grupo Abril


Sobre Abril

Fale Conosco

Trabalhe Conosco

Anuncie

Licensing

Classificados

Outros Sites


Loja Abril

iba

Brasil Post

Revistas e Sites

Vitrine de Ofertas