Abril id

SACAssineLoja
Revistas & Sites Apps Ofertas Últimas Notícias
Ciência e Saúde
20/03/2009 - 11:30
Agência Estado

Cratod: novo tratamento amplia em 68% as chances de largar o cigarro

Agência Estado
Tamanho do textoA+A-

Por AE

São Paulo - Um novo modelo de atendimento para ajudar dependentes de cigarros, que reduz a duração do tratamento de um ano para um mês, conseguiu ampliar em 68% o número de pessoas que abandonaram o vício, afirma o Centro Estadual de Referência do Álcool Tabaco e Outras Drogas (Cratod). Chamado de “Intensivão”, o projeto agora será expandido para todas as unidades públicas do Estado de São Paulo.

“Primeiro testamos a eficácia da técnica nos pacientes do Cratod (são em média 20 novos pacientes por mês)”, afirma a diretora do centro Luizemir Lago. “Quando atestamos que o fato de encurtar o tratamento ampliou de 27% para 45,5% o índice de abandono do vício já no primeiro mês, decidimos adotar o ‘Intensivão’ como padrão. Agora, faremos a capacitação de profissionais de outras unidades”, reforça Lago que é responsável pela política antidrogas de todo o Estado.

A readequação do método consiste na reposição da nicotina por meio de adesivos. Na proposta antiga, adotada até o fim do ano passado, os pacientes ficavam até três meses com o mesmo nível de reposição de nicotina (de 21 mg para quem fuma cerca de um maço por dia) e só então a concentração diminuía gradativamente. Agora, a redução é semanal.

“Quando não conseguimos o êxito imediato, o paciente é convidado a tentar até mais quatro vezes”, explica Lago. “Se após as tentativas ele não consegue, encaminhamos para outros tipos de tratamentos psiquiátricos, porque quase sempre existe outro problema psíquico. O cigarro acaba como balizador disso.”

Vontade

Pesquisas recentes já evidenciaram que a maioria dos fumantes gostaria de abandonar o vício. Em pesquisa feita com 800 pessoas moradoras de São Paulo e dependentes do tabaco, a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) encontrou a vontade de largar o cigarro em 80,5% dos participantes. No mesmo levantamento foi identificado que quem fuma já tentou parar, em média, 5,2 vezes. Não conseguir largar o cigarro, porém, é estar mais próximo de uma extensa lista de problemas, que atingem pulmão, coração, aumentam em até 90% a incidência de câncer, prejudicam fertilidade e causam a impotência masculina. As informações são do Jornal da Tarde.

AE

 

Ofertas

 

Assinaturas


Assine

AbrilSAC

Clube do Assinante

Grupo Abril


Sobre Abril

Fale Conosco

Trabalhe Conosco

Anuncie

Licensing

Classificados

Outros Sites


iba

Brasil Post

Revistas e Sites

Vitrine de Ofertas