Arquivo

Textos com Etiquetas ‘tardelli’

Perto da convocação, quem pode surpreender na seleção?

A convocação da seleção brasileira para a Copa do Mundo de 2010 está chegando, e Dunga mantém o discurso de “grupo fechado”. O trabalho realizado por ele nos últimos quatro anos serviu para definir a base que foi utilizada no último amistoso, em março, contra a Irlanda. Mas como elegeu jogadores que vêm sendo questionados, e o futebol brasileiro apresentou a ele novas opções neste ano, o Abril.com listou como estão as brigas finais para ir à Copa. Confira, então, quem pode cair do grupo, os favoritos a ganhar vaga de última hora e os que correm por fora.

ELES PODEM CAIR DA SELEÇÃO

Gilberto (Cruzeiro)
O lateral-esquerdo voltou à lista de Dunga na reta final da preparação para a Copa do Mundo. Mas porque o treinador ainda não se cansou de fazer testes no setor. A vaga de titular está encaminhada para Michel Bastos. Para a reserva, o cruzeirense parece ser o preferido, mas tem a concorrência de Kléber e André Santos. Como nenhum deles ainda convenceu o comandante, é possível até que Dunga leve só um jogador para a posição.

Kleberson (Flamengo)
É um jogador irregular e que ultimamente vive mais em baixa. No primeiro jogo do duelo contra o Corinthians, pela Libertadores, não foi nem relacionado para o banco de reservas. Na segunda partida, porém, entrou no segundo tempo e foi decisivo para a classificação do Flamengo. Tem a seu favor a experiência de já ter disputado uma Copa do Mundo, mas nunca foi uma figura constante nas convocações de Dunga. Para complicá-lo, joga em uma das posições mais fartas da seleção.

Adriano (Flamengo)
O problema dele é exclusivamente fora de campo. Mas que vem interferindo em seu desempenho. Neste ano, vem jogando pouco e já ficou fora de partidas decisivas. Na final da Taça Rio, por exemplo, perdeu um pênalti, selando o título do Botafogo. Tem a seu favor a jogada aérea e o vigor físico que não são encontrados em outros jogadores, mas o fato de viver problemas pessoais pode minar a confiança de Dunga, que está priorizando a disciplina no grupo.

OS FAVORITOS DE ÚLTIMA HORA

Paulo Henrique (Santos)
Roubou de Neymar o maior clamor do país para ser convocado para a seleção. Nas últimas semanas, o que mais se ouviu dele é a seguinte expressão: “joga muita bola”. Tem o estilo que não se encontra no grupo de Dunga pela categoria com a perna canhota e a facilidade de encontrar companheiros livres para fazer gols. Além disso, também já apresentou faro de goleador e dá grande contribuição à marcação em uma equipe que prioriza o jogo ofensivo.

Grafite (Wolfsburg-ALE)
Não está em seu auge. O melhor momento dele aconteceu na temporada 2008-2009, quando foi artilheiro do Campeonato Alemão. Ele já estava esquecido, quando foi convocado para enfrentar a Irlanda e entrou no segundo tempo. Mostrou que pode atuar como centroavante, servindo de pivô para os meio-campistas, e tem a versatilidade necessária para jogar com velocidade pelos lados do campo. Poderia beliscar a vaga de Adriano, que vive problemas pessoais.

Ronaldinho Gaúcho (Milan-ITA)
Depois de um grande clamor em torno de seu nome no início do ano por causa de grandes atuações e gols no Campeonato Italiano, perdeu espaço. Em parte, os culpados por isso são os “Meninos da Vila”. Mesmo assim, ainda briga por vaga por ter condições de atuar no ataque e no meio-campo. Ganhou força com a recente declaração de Pelé, que conversou com Dunga e disse que o jogador do Milan estaria à frente de Neymar na briga por vaga na seleção.

ELES ESTÃO CORRENDO POR FORA

Neymar (Santos)
O futebol apresentado por ele é indiscutível. É o principal goleador do futebol brasileiro, levou o Santos ao título de campeão paulista e já ganhou clamor nacional por sua convocação. Mas tem como aspecto negativo a pouca idade e a inexperiência no futebol internacional. Para complicar, joga em uma posição que parece já preenchida com Robinho e Nilmar. Caso Dunga precise de nova opção de velocidade pelos lados do campo, já demonstrou que o favorito para a vaga é

Diego Tardelli (Atlético-MG)
Está repetindo o bom momento que viveu no ano passado. Na época, foi convocado ao virar o principal goleador do futebol brasileiro, mas não emplacou. Ficou esquecido, mas, agora, voltou a seri o Tardelli de 2009. Foi decisivo na fase final do Campeonato Mineiro e no primeiro jogo contra o Santos nas quartas-de-final da Copa do Brasil. Tem bastante versatilidade, mas peca pelo vigor físico, uma característica essencial para Dunga eleger seu atacante reserva.

Lucas (Liverpool-ING)
Despontou para o futebol como uma das grandes promessas para o meio-de-campo. Na Europa, foi reserva até a temporada passada, pois tinha jogadores como Mascherano e Xabi Alonso como concorrentes. Agora, é titular da equipe inglesa e fez boas atuações neste ano. Não tem a preferência de Dunga, mas pode ser a escolha, se ele não apostar mais no futebol de Kleberson, que vem ocupando a reserva do Flamengo. O problema é que Lucas fracassou nas Olimpíadas de Pequim, em 2008.

Atletas à margem do grupo de Dunga ainda brigam pela Copa

6, outubro, 2009 3 comentários

A seleção brasileira se apresentou nesta terça-feira na Granja Comary para os dois jogos finais das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010, contra Bolívia, dia 11, em La Paz, e diante da Venezuela, três dias depois, em Campo Grande (MS). Já classificada para o torneio que acontecerá na África do Sul, a equipe de Dunga tem uma série de atletas pouco aproveitados que ainda brigam pelas últimas vagas no grupo e precisam mostrar serviço nesse período para ganhar a confiança do professor. Veja quem está no páreo para tentar uma das vagas a menos de um ano da Copa do Mundo.

Helton (goleiro – Porto-POR)
Histórico na seleção: 13 convocações e 4 jogos disputados
Ponto forte: goleiro de muita elasticidade e de grande experiência internacional. Está no Porto desde 2005 e atualmente é titular absoluto
Ponto fraco: instabilidade, ainda alterna bons e maus momentos em seu clube e nunca emplacou na seleção brasileira
Concorrentes: Doni (Roma-ITA) e Gomes (Tottenham-ING)

Naldo (zagueiro – Werder Bremen-ALE)
Histórico na seleção:
17 convocações em 4 partidas realizadas
Ponto forte: zagueiro seguro, de boa presença nas jogadas aéreas e precisão nas cobranças de falta a média distância
Ponto fraco: falta de velocidade, precisa atuar ao lado de um companheiro rápido e tem de lutar em uma posição que está praticamente definida
Concorrentes: Miranda (São Paulo) e Alex Costa (Chelsea-ING)

Filipe (lateral-esquerdo – La Coruña-ESP)
Histórico na seleção:
4 convocações e nenhuma partida disputada
Ponto forte: experiência no exterior praticamente desde o início da vida profissional, força no ataque e atletas concorrentes em má fase técnica
Ponto fraco: pouco hábito como um jogador de seleção brasileira
Concorrentes: Marcelo (Real Madrid-ESP) e Kléber (Internacional)

Sandro (volante – Internacional)
Histórico na seleção:
3 convocações e 1 jogo
Ponto forte: pegada na marcação, do jeito que Dunga gosta, com força física
Ponto fraco: falta de experiência, ainda tem idade para ser sub-20 e não tem a mesma qualidade na saída de bola que seus concorrentes
Concorrentes: Kleberson (Flamengo), Lucas (Liverpool-ING), Anderson (Manchester United-ING)

Lucas (volante – Liverpool-ING)
Histórico na seleção: 12 convocações e 4 partidas disputadas
Ponto forte: versatilidade, com boa saída de bola e chegada ao ataque
Ponto fraco: não tem a garantia de titularidade e pode lhe faltar ritmo de jogo
Concorrentes: Sandro (Internacional), Kleberson (Flamengo) e Anderson (Manchester United)

Alex (meia – Spartak Moscou-RUS)
Histórico na seleção:
4 convocações e 2 jogos realizados
Ponto forte: canhoto, é um meia-armador nato, jogador que não existe no grupo de Dunga, pode ser uma alternativa durante os jogos
Ponto fraco: “escondido” no futebol russo, não enfrenta grandes potências europeias e ainda é tímido com a camisa da seleção
Concorrentes: (Júlio Baptista (Roma-ITA), Ramires (Benfica-POR), Diego Souza (Palmeiras) e Diego (Juventus-ITA)

Diego Souza (meia – Palmeiras)
Histórico na seleção:
2 convocações e nenhuma partida
Ponto forte: habilidade, força física e presença constante no ataque, sabando fazer gols
Ponto fraco: temperamento explosivo, sofre com atos de indisciplina e com momentos de irregularidade
Concorrentes: Júlio Baptista (Roma-ITA), Alex (Spartak Moscou-RUS), Ramires (Benfica-POR) e Diego (Juventus-ITA)

Diego Tardelli (atacante – Atlético-MG)
Histórico na seleção:
3 convocações e 2 jogos disputados
Ponto forte: é velocista e tem a capacidade de um “matador”. É um dos principais artilheiros do Brasileirão, com 14 gols
Ponto fraco: atos de indisciplina do passado ainda o condenam, jogador de altos e baixos que ainda não se deu bem em passagens no exterior
Concorrentes: Adriano (Flamengo), Nilmar (Villarreal-ESP) e Ronaldo (Corinthians)