Arquivo

Textos com Etiquetas ‘kl’

Brasil rejeita “caseiros” e iguala 2006 com só três que atuam no país

Dunga foi, durante toda sua campanha, muito crucificado por convocar apenas jogadores que atuam fora do país. Durante vários programas esportivos, a frase “precisa jogar na Europa para ser valorizado” era repetida. Na sua convocação, o treinador acabou fazendo o que todos imaginavam: apenas três jogadores atuam no Brasil. Gilberto, no Cruzeiro, Kléberson, do Flamengo, e Robinho, do Santos. 

O número, no entanto, é igual ao que aconteceu em 2006, quando o técnico era Carlos Alberto Parreira. Na ocasião, apenas Ricardinho, Rogério Ceni e Mineiro defenderam a amarelinha na Alemanha. Recentemente, em 2002, a seleção de Felipão tinha 13 jogadores, assim como 1994. 

Um número que mudou foi o de jogadores da última Copa que foram “reaproveitados”. Em 2010, foram 10 (Dida, Cafu, Lúcio, Roberto Carlos, Kaká, Ronaldo, Ronaldinho Gaúcho, Rogério Ceni, Gilberto Silva e Ricardinho). Neste ano, foram oito (Júlio César Lúcio, Juan, Luisão, Gilberto, Gilberto Silva, Kaká e Robinho). 

Confira os jogadores que atuavam no Brasil e foram convocados para as Copas:

2010 – Gilberto, Kleberson, Robinho

2006 – Ricardinho, Rogério Ceni, Mineiro
2002 – Marcos, Ricardinho, Gilberto Silva, Dida, Belletti, Anderson Polga, Kleberson, Vampeta, Juninho Paulista, Edílson, Luizão, Rogério Ceni, Kaká
1998 – Taffarel, Carlos Germano, Dida, Zé Carlos, Júnior Baiano, Gonçalves, Denílson, Bebeto
1994 – Zetti, Gilmar, Branco, Cafu, Leonardo, Ricardo Rocha, Ronaldão, Zinho, Zinho, Mazinho, Müller, Ronaldo, Viola
1990 – Taffarel, Bismarck, Ricrdo Rocha, Acácio, Bebeto, Renato Gaúcho, Mazinho, Renato Gaúcho, Tita, Mauro Galvão, Zé Carlos
1986 – Carlos, Paulo Victor, Leão, Edson, Josimar, Branco, Oscar, Julio Cesar, Mauro Galvão, Falcão, Zico, Alem]ão, Socrates, Elzo, Silas, Valdo, São Paulo, Casagrande, Careca, Edivaldo
1982 – só Falcão e Dirceu eram de fora
Até 1978, o Brasil só ia para a Copa com jogadores caseiros.

Perto da convocação, quem pode surpreender na seleção?

A convocação da seleção brasileira para a Copa do Mundo de 2010 está chegando, e Dunga mantém o discurso de “grupo fechado”. O trabalho realizado por ele nos últimos quatro anos serviu para definir a base que foi utilizada no último amistoso, em março, contra a Irlanda. Mas como elegeu jogadores que vêm sendo questionados, e o futebol brasileiro apresentou a ele novas opções neste ano, o Abril.com listou como estão as brigas finais para ir à Copa. Confira, então, quem pode cair do grupo, os favoritos a ganhar vaga de última hora e os que correm por fora.

ELES PODEM CAIR DA SELEÇÃO

Gilberto (Cruzeiro)
O lateral-esquerdo voltou à lista de Dunga na reta final da preparação para a Copa do Mundo. Mas porque o treinador ainda não se cansou de fazer testes no setor. A vaga de titular está encaminhada para Michel Bastos. Para a reserva, o cruzeirense parece ser o preferido, mas tem a concorrência de Kléber e André Santos. Como nenhum deles ainda convenceu o comandante, é possível até que Dunga leve só um jogador para a posição.

Kleberson (Flamengo)
É um jogador irregular e que ultimamente vive mais em baixa. No primeiro jogo do duelo contra o Corinthians, pela Libertadores, não foi nem relacionado para o banco de reservas. Na segunda partida, porém, entrou no segundo tempo e foi decisivo para a classificação do Flamengo. Tem a seu favor a experiência de já ter disputado uma Copa do Mundo, mas nunca foi uma figura constante nas convocações de Dunga. Para complicá-lo, joga em uma das posições mais fartas da seleção.

Adriano (Flamengo)
O problema dele é exclusivamente fora de campo. Mas que vem interferindo em seu desempenho. Neste ano, vem jogando pouco e já ficou fora de partidas decisivas. Na final da Taça Rio, por exemplo, perdeu um pênalti, selando o título do Botafogo. Tem a seu favor a jogada aérea e o vigor físico que não são encontrados em outros jogadores, mas o fato de viver problemas pessoais pode minar a confiança de Dunga, que está priorizando a disciplina no grupo.

OS FAVORITOS DE ÚLTIMA HORA

Paulo Henrique (Santos)
Roubou de Neymar o maior clamor do país para ser convocado para a seleção. Nas últimas semanas, o que mais se ouviu dele é a seguinte expressão: “joga muita bola”. Tem o estilo que não se encontra no grupo de Dunga pela categoria com a perna canhota e a facilidade de encontrar companheiros livres para fazer gols. Além disso, também já apresentou faro de goleador e dá grande contribuição à marcação em uma equipe que prioriza o jogo ofensivo.

Grafite (Wolfsburg-ALE)
Não está em seu auge. O melhor momento dele aconteceu na temporada 2008-2009, quando foi artilheiro do Campeonato Alemão. Ele já estava esquecido, quando foi convocado para enfrentar a Irlanda e entrou no segundo tempo. Mostrou que pode atuar como centroavante, servindo de pivô para os meio-campistas, e tem a versatilidade necessária para jogar com velocidade pelos lados do campo. Poderia beliscar a vaga de Adriano, que vive problemas pessoais.

Ronaldinho Gaúcho (Milan-ITA)
Depois de um grande clamor em torno de seu nome no início do ano por causa de grandes atuações e gols no Campeonato Italiano, perdeu espaço. Em parte, os culpados por isso são os “Meninos da Vila”. Mesmo assim, ainda briga por vaga por ter condições de atuar no ataque e no meio-campo. Ganhou força com a recente declaração de Pelé, que conversou com Dunga e disse que o jogador do Milan estaria à frente de Neymar na briga por vaga na seleção.

ELES ESTÃO CORRENDO POR FORA

Neymar (Santos)
O futebol apresentado por ele é indiscutível. É o principal goleador do futebol brasileiro, levou o Santos ao título de campeão paulista e já ganhou clamor nacional por sua convocação. Mas tem como aspecto negativo a pouca idade e a inexperiência no futebol internacional. Para complicar, joga em uma posição que parece já preenchida com Robinho e Nilmar. Caso Dunga precise de nova opção de velocidade pelos lados do campo, já demonstrou que o favorito para a vaga é

Diego Tardelli (Atlético-MG)
Está repetindo o bom momento que viveu no ano passado. Na época, foi convocado ao virar o principal goleador do futebol brasileiro, mas não emplacou. Ficou esquecido, mas, agora, voltou a seri o Tardelli de 2009. Foi decisivo na fase final do Campeonato Mineiro e no primeiro jogo contra o Santos nas quartas-de-final da Copa do Brasil. Tem bastante versatilidade, mas peca pelo vigor físico, uma característica essencial para Dunga eleger seu atacante reserva.

Lucas (Liverpool-ING)
Despontou para o futebol como uma das grandes promessas para o meio-de-campo. Na Europa, foi reserva até a temporada passada, pois tinha jogadores como Mascherano e Xabi Alonso como concorrentes. Agora, é titular da equipe inglesa e fez boas atuações neste ano. Não tem a preferência de Dunga, mas pode ser a escolha, se ele não apostar mais no futebol de Kleberson, que vem ocupando a reserva do Flamengo. O problema é que Lucas fracassou nas Olimpíadas de Pequim, em 2008.

Kleberson acredita que será convocado para a Copa


(Kleberson – Foto: Vipcomm)

A boa atuação na partida contra o Corinthians devolveu a confiança ao volante Kleberson. Satisfeito por sua atuação na derrota por 2 a 1, que garantiu o Flamengo nas quartas de final da Copa Libertadores, ele afirmou após o confronto estar esperançoso em ser convocado para disputar a Copa do Mundo de 2010.

Quase sempre presente na lista de Dunga, Kleberson perdeu espaço no Flamengo, foi para o banco de reservas e teve seu lugar na seleção brasileira ameaçado. Mas na partida desta quarta-feira, entrou no intervalo e foi decisivo, dando a assistência para o gol de Vágner Love.

Leia mais notícias de Esportes no Abril.com

“O Dunga sabe do meu potencial e o Jorginho também. Tenho de estar tranquilo, confiante. Não vinha jogando, mas sempre demonstrei que poderia. Agora é esperar o que vem pela frente. Seleção é consequência do trabalho”, avaliou o volante, não escondendo a frustração por ter perdido espaço na equipe.

“Todo jogador fica chateado por estar fora da equipe. Respeitei a posição do treinador, mas continuei trabalhando. Veio a oportunidade e acho que aproveitei. Estou feliz por ter ajudado o Flamengo e espero continuar contribuindo com o time na Libertadores”, acrescentou. (Fonte: Agência Estado)

Jogadores desconversam sobre possível volta de Ronaldinho

1, março, 2010 8 comentários


(Foto: Divulgação/CBFnews)

Principal ‘fantasma’ para Dunga às vésperas da Copa do Mundo da África do Sul, Ronaldinho Gaúcho não está em Londres com o grupo da seleção brasileira que enfrentará a Irlanda, nesta terça, no Emirates Stadium, mas sua presença ‘espiritual’ causou certo desconforto entre os jogadores.

Questionados sobre a possibilidade do retorno ao grupo do meia-atacante do Milan, que no domingo fez mais uma partida exuberante e, mesmo perdendo um pênalti, foi decisivo para a vitória por 3 a 1 sobre o Atalanta, os atletas procuraram desconversar.

Leia mais notícias de Esportes no Abril.com

“O Ronaldinho é um ótimo jogador, mas eu tenho é que me focar no meu trabalho. Esse é um problema para o Dunga resolver”, sintetizou Elano, que chegou machucado a Londres e não tem presença assegurada entre os titulares no Emirates Stadium.

O flamenguista Kléberson não fugiu muito à linha adotada pelo jogador do Galatasaray. “O Ronaldinho tem grandes amigos na seleção, mas só penso no meu futebol. O importante é que ele está feliz no Milan e procurando seu espaço”. (Fonte: Gazeta Press)

Seleção tem histórico de reviravoltas perto de Copas do Mundo

9, fevereiro, 2010 Sem comentários
Já virou tradição as reviravoltas que acontecem na seleção brasileira com a proximidade da Copa do Mundo. Para 2010, o “ritual” deve seguir, já que há várias posições com incógnitas. Nem mesmo a convocação desta terça-feira mostrará o grupo que defenderá o Brasil na África do Sul, pois a história mostra que até, durante os Mundiais, o Brasil sofre com mudanças drásticas. Veja exemplos do que já aconteceu com a seleção brasileira de última hora em Copas do Mundo.
 
2006 (Alemanha)
Fred  (foto: Getty Images) cavou seu espaço aos poucos na seleção brasileira. Depois de despontar no Cruzeiro, fez também um breve sucesso no Lyon. E tudo isso foi o suficiente para, pouco antes da Copa, ganhar a atenção de Carlos Alberto Parreira. O treinador, então, não titubeou e o levou para o Mundial, no qual naufragou ao lado de outras grandes estrelas ofensivas, como Ronaldo, Adriano, Kaká e Ronaldinho Gaúcho. Também nessa Copa, Mineiro herdou uma vaga após uma contusão no joelho de Edmílson.
 

2002 (Japão e Coreia do Sul)

A reta final da Copa disputada no Japão e na Coreia do Sul esteve repleta de incógnitas. E os jogadores que atuavam no Brasil foram os que se deram melhor. Kaká, Anderson Polga e Kleberson (foto: Getty Images) foram os premiados pelo técnico Luiz Felipe Scolari. No fim das contas, Kleberson ainda ganhou uma vaga de titular do meio-de-campo, ao lado de Gilberto Silva e Ronaldinho Gaúcho. Também nesse Mundial, Ricardinho foi convocado às pressas para substituir Emerson, com uma lesão no ombro.
 

1998 (França)
A grande dúvida de Zagallo era a reserva de Cafu (foto: Getty Images), já que ninguém se firmava. Na reta final, porém, Zé Carlos, um jogador de 30 anos despontou atuando pelo São Paulo e superou Zé Maria, que era seu concorrente à vaga. No fim, ele teve boa participação, já que disputou a semifinal contra a Holanda por causa da suspensão de Cafu. André Cruz foi outro a ganhar vaga de última hora, mas por causa da contusão de Márcio Santos. Para o Mundial da França, Romário foi cortado às vésperas da estreia, dando lugar a Emerson.

  

1994 (Estados Unidos)
O ataque foi o grande beneficiado das mudanças de última hora. O então novato Ronaldo (foto: Getty Images), de apenas 17 anos de idade, chamou a atenção pelas atuações no Cruzeiro, e Viola vinha em boa fase no Corinthians, o que obrigou o técnico Carlos Alberto Parreira a convocar cinco atacantes (Romário, Bebeto e Müller já estavam garantidos). Já nos EUA para a disputa da Copa, a seleção ainda teve a novidade do zagueiro Ronaldão, que substituiu o contundido Ricardo Gomes.
 

1990 (Itália)

Bismarck e Tita foram as grandes novidades da convocação final de Sebastião Lazaroni. Também estavam no páreo Neto, que brilhava cada vez mais pelo Corinthians, e Jorginho, ponta-direita habilidoso da Portuguesa e que posteriormente fez sucesso no meio-de-campo. Para essa Copa, Lazaroni também esperou até os instantes finais para convocar Romário (foto: Getty Images). O “Baixinho” teve uma fratura na perna pouco antes da competição e se recuperou a tempo, mas não entrou na forma física ideal.
 

1986 (México)

O chamado de última hora nessa Copa foi inusitado. O escolhido foi Josimar (foto: AP). Ele ocupou o lugar de Leandro, que não compareceu ao embarque para o México em solidariedade ao amigo Renato Gaúcho, cortado por indisciplina. Josimar, então, foi à Copa e marcou dois golaços de longa distância. Para o lugar de Renato Gaúcho, Edivaldo herdou a vaga. Outros jogadores que chegaram ao grupo de última hora foram Valdo e Mauro Galvão, nos lugares de Toninho Cerezo e Mozer, contundidos. Telê Santana esperou Zico, que vinha de grave lesão no joelho, até o último instante e o levou, mas sem boas condições físicas.
 
1982 (Espanha)
Renato, Dirceu e Serginho (foto: Getty Images) foram à Copa sem serem os mais utilizados durante as eliminatórias. Os favoritos às vagas eram Tita, que não gostava de jogar no ataque, Zé Sérgio, que vivia mergulhado em lesões, e Reinaldo, que também passava por problemas físicos. Desses, apenas Serginho foi titular e teve atuações discretas em um time que contava com estrelas do porte de Zico, Sócrates, Éder, Júnior e Falcão. Roberto Dinamite foi outro beneficiado, mas só ganhou vaga no elenco depois de uma lesão no joelho de Careca.
 

1978 (Argentina)

Dois jogadores que chegaram de última hora terminaram a Copa como titulares. O lateral-direito Nelinho, que herdou a vaga de Zé Maria, e Roberto Dinamite, que ocupou o lugar de Nunes, brilharam. Nelinho foi, inclusive, autor de um dos gols mais bonitos da história, na disputa do 3º lugar, contra a Itália. Dinamite foi um dos principais artilheiros do time dirigido por Cláudio Coutinho.
 
1970 (México)
João Saldanha comandou a seleção brasileira até as eliminatórias. Em uma história não confirmada por ninguém, ele teria sido derrubado pela ditadura. Zagallo (foto: AP) entrou em seu lugar e fez uma mudança em uma base vitoriosa. Paulo César Caju deixou o time para a formação de um quinteto de “camisas 10″ (Gérson, Rivellino, Tostão, Jairzinho e Pelé). Piazza, que jogava no meio-de-campo, foi deslocado para a zaga para formar dupla com Brito. E quem deixou o time foi Joel Camargo.
 

1962 (Chile)

Na Copa do Chile, uma mudança já no decorrer do Mundial deu muito certo. E quem saiu do time foi o Rei do Futebol. No segundo jogo do torneio, Pelé sentiu uma contusão na virilha e foi substituído por Amarildo (foto: AP). O então meio-campista do Botafogo doi um dos destaques da competição ao lado de Garrincha, levando a seleção canarinha ao bicampeonato mundial.
 

1958 (Suécia)

O ano do primeiro título mundial do Brasil também foi de uma grande mudança no andamento do torneio. Afinal, Pelé (foto: AP), Garrincha e Zito começaram a disputa fora do time titular. Nos dois primeiros jogos, uma vitória e um empate. A partir do terceiro jogo, no entanto, os três foram a campo, a pedido também de Nilton Santos e Didi. Pelé ficou com a vaga de Dida, Garrincha tirou Joel da equipe, enquanto Zito deixou Dino Sani na reserva. E com essa formação, o Brasil foi com 100% de aproveitamento até seu primeiro troféu.

Dunga convoca Miranda e Kléberson para a seleção

O zagueiro Miranda, do São Paulo, e o meio-campo Kleberson, do Flamengo, foram convocados para os jogos das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2010  e para a disputa da Copa das Confederações. Os jogadores substituirão Alex, do Chelsea, e Anderson, do Manchester United, que serão submetidos a cirurgias.

Os jogos das eliminatórias estão marcados para o dia 6 de junho, contra o Uruguai, em Montividéu, e para o dia 10 de junho, contra o Paraguai, em Recife. Já a Copa das Confederações da África do Sul será realizada de 14 a 28 de junho.

Miranda já era praticamente nome certo para o lugar do zagueiro do Chelsea. Agora, Kléberson, que esteve na Copa do Mundo de 2002, no time de Felipão, é a nova surpresa de Dunga. Ele nunca foi convocado pelo atual treinador da seleção brasileira.

Você gostou do anúncio de Dunga? Quais seriam os nomes ideais?

Fotos: Kléberson e Miranda – Gazeta Press e Vipcomm